PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM
PARA HOSPEDAGEM CLIQUE NA IMAGEM

terça-feira, 9 de abril de 2013

Ex-clube de funcionários da Varig vai virar parque municipal em SP

Concluída licitação para parque no Campo Belo que custará R$ 17 milhões.
Área verde ficará na Avenida Jornalista Roberto Marinho, na Zona Sul.


Área antes frequentada por funcionários da Varig (Foto: Divulgação/Prefeitura de São Paulo) 
Área antes frequentada por funcionários da Varig (Foto: Divulgação/Prefeitura de São Paulo)

A Prefeitura de São Paulo concluiu a licitação para a implantação do Parque do Chuvisco, no Campo Belo, Zona Sul de São Paulo, e as obras deverão começar em até 90 dias. 

A empresa Lemam Construções e Comércio foi homologada a vencedora em publicação no Diário Oficial da quinta-feira (4) e terá 12 meses para concluir a instalação do parque a partir do início das obras.

O terreno tem 35 mil metros quadrados, o equivalente a mais de quatro campos de futebol, e fica na beira da Avenida Jornalista Roberto Marinho. A área verde abrigava anteriormente o Clube do Chuvisco, que era frequentado por funcionários da extinta empresa aérea Varig e foi doada à prefeitura.

Os espaços remanescentes serão reformados para a construção de um núcleo de vivência que abrigará uma gibiteca, brinquedoteca, sala de jogos, área de estar, sala de computadores, café e varandas, além de um auditório para 60 pessoas. Os visitantes terão ainda uma pista de patinação, parede de escalada para crianças, quadras poliesportivas, praças, quiosques, ciclovia e equipamentos para idosos, entre outras estruturas.
Segundo a SPObras, empresa da Prefeitura responsável por intervenções de infra-estrutura na cidade, a implantação do parque acontece por meio de recursos advindos da Operação Urbana Água Espraiada. O custo estimado é de R$ 17 milhões. Caso não haja recursos administrativos de empresas contestando o resultado da licitação, o parque deverá estar funcionando no meio de 2014.

A nova área também integrará a Creche Jardim Aeroporto, situada na Avenida Dr. Lino de Moraes Leme e terá um playground de apoio à creche. Todo o quarteirão situado nessa avenida, entre a Rua Ipiranga e a Avenida Jornalista Roberto Marinho, será anexado ao projeto do novo parque.

Túnel
A criação do Parque do Chuvisco é uma das intervenções que a área irá receber. Atualmente o governo do Estado constrói na Avenida Jornalista Roberto Marinho a linha 17-Ouro do Metrô, que funcionará em sistema de monotrilho.
 A linha vai interligar as regiões do Morumbi, Jabaquara e o aeroporto de Congonhas.
A Prefeitura também tem outros projetos para a região. Entre eles está a construção de um túnel ligando a Avenida Jornalista Roberto Marinho à Rodovia dos Imigrantes e um parque linear que ficará sobre o túnel. A obra terá forte impacto social, já que milhares de famílias que moram em favelas na região terão de sair do local.
g1

 

SNA cobrará os salários na Webjet



A empresa VRG Linhas Aéresa S/A ficou obrigada, judicialmente, a realizar o pagamento dos salários de todos os tripulantes da Webjet reintegrados. O pagamento deve ser realizado, na conta usual, e até o 5 dia útil do mês, como manda a Lei.


Assim para apurar o descumprimento da decisão e tomar as medidas cabíveis, o Sindicato solicita que todos os tripulantes verifiquem a sua conta corrente e caso não identifiquem o depósito, da folha de março, enviem essa informação ao SNA.

Esse procedimento é apenas para os tripulantes que não optaram, de livre e espontânea vontade, pela homologação da rescisão do contrato de trabalho.

Solicitamos que enviem um e-mail com o texto abaixo para webjet@aeronautas.org.br

"

Comunico ao Sindicato Nacional dos Aeronautas que até a data de 08 de abril do ano de 2013, a VRG Linhas Aéreas S/A não depositou, na conta corrente habitual, a quantia correspondente ao salário do mês de março do ano em curso, conforme decisão prolatada pelo MM Juízo da 23a. VT/RJ.

Atenciosamente,


NOME:

MATRICULA:
BANCO:
AGÊNCIA:
CONTA:
CPF:


O Sindicato Nacional dos Aeronautas, junto com o comitê de trabalhadores da Webjet, convoca todos os demitidos para na próxima terça-feira, dia 09/04, realizarem um protesto pela solução do caso Webjet, em frente ao Tribunal Regional do Trabalho da 1º Região, na cidade do Rio de Janeiro, com concentração prevista a partir das 10:00.
A sede do Tribunal fica na rua Lavradio, 132, Bairro Centro, Rio de Janeiro.

SNA

Escorregador de avião




Pegue um velho avião russo Tupelov TU-124 prontinho para virar morador de algum cemitério no deserto. Então faça uns ajustes aqui, coloque uns postes acolá, dê uma transformada geral, adicione um enorme e colorido escorregador e pronto! A antiga aeronave virou um divertido brinquedo - e que brinquedo - numa base aérea ucraniana. Assim como aquele post de uma escolinha na Georgia (lembram?), este aqui é mais um jeito bem legal de manter um antigo jato dando asas à imaginação da molecada. E dos adultos também. "Aterrissadamente legaus"!
 
BEM LEGAUS

Será Ele o Pai da Aviação...?



O médium Chico Xavier revelou que Santos Dumont, o pai da aviação, reencarnou na cidade de Campos, em março de 1956, como filho de Clóvis Tavares e de Hilda Mussa Tavares, com o nome de Carlos Vitor. Aos nove meses de idade, Carlinhos caiu de um carrinho de bebê e com o tombo deslocou a vértebra cervical, ficando tetraplégico, vindo a desencarnar aos 17 anos de idade, em fevereiro de 1973. Como se sabe, Santos Dumont, ao ficar deprimido quando presenciou mineiros e paulistas a digladiarem-se pelo céu, usando o avião como arma de guerra para matar e destruir, enforcou-se no dia 23 de julho de 1931.

Antes de reencarnar, o espírito Santos Dumont, segundo informações de Chico Xavier, decidiu expiar a sua morte como suicida através de uma vida curta como paraplégico. A queda acidental sofrida por Carlos Vitor, aos nove meses de idade, deslocou a sua vértebra cervical. A um programa de TV, o médium mineiro declarou que a vértebra de Carlos já estava deslocada no perispírito, isto é, no corpo semimaterial que envolve o espírito, por ter sido lesada quando se enforcou em sua vida passada. Esse fato consta do livro "Jesus e nós".

O médico homeopatia Flávio Mussa Tavares informou que seu pai, o professor Clóvis Tavares, manteve em sigilo as revelações feitas por Chico Xavier sobre as reencarnações anteriores de Santos Dumont. Chico revelou a seu pai que Santos Dumont vivera duas reencarnações em inesgotável pesquisa sobre a aviação: como Bartolomeu Lourenço de Gusmão (1685-1724), padre brasileiro,  e como Joseph Montgolfier (1740-1810), balonista francês.

Bem antes disso ele também se dedicara à navegação marítima nas personalidades dos navegadores italianos Marco Polo (1254-1324) e Cristóvão Colombo (1451-1506), sempre com a ânsia de descobrir novos caminhos. Todavia, em suas biografias encontramos semelhanças de suas trajetórias evolutivas, sempre na busca de encurtar distâncias entre os povos. Era, portanto, o mesmo espírito tomando diferentes personalidades a cada reencarnação (Marco Polo, Colombo, Bartolomeu de Gusmão, Montgolfier, Santos Dumont).

––––––––––––––––––
In: http://espiritismocristao.blogspot.com.br/2009/07/as-reencarnacoes-de-santos-dumont.html
 
WINGS OF ANGOLA

Trabalhadores do Táxi Aéreo aprovam proposta

Os trabalhadores aeronautas reunidos em assembleia, nos dias 3 e 4 de abril, nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Macaé, Belém e Brasília, aprovaram a proposta de Convenção Coletiva negociada junto ao Sindicato Nacional das Empresas de Táxi Aéreo (SNETA).
Na proposta, já assinada pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), há a previsão da correção do salário em três etapas, ao londo de quatro meses, mais um abono salarial correspondente a 13% do salário de novembro, corrigido em 5,95%, e limitado a R$ 1.000,00.
Os pisos salariais e as demais cláusulas econômicas também foram reajustadas, os retroativos referentes a estes valores também seguirão a sistemática escalonada prevista para os salários.
Para a direção do SNA, o acordo firmado não foi o pretendido mas o possível, em função das dificuldades de mobilização da categoria, na conjuntura atual.

Protesto de funcionários da Gol complica voos do aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires

BUENOS AIRES - Um protesto de funcionários da companhia aérea Gol que reclamavam das demissões na empresa complicou os voos da tarde desta segunda-feira no aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires.

A greve começou esta manhã, segundo o jornal argentino Clarín, porque "sexta a empresa decidiu demitir 18 companheiros, entre os quais uma grávida", afirmou Edgardo Llano, secretário-geral da Associação de Pessoal Aeronáutico (APA), que participou do protesto no terminal internacional.

O telão que informava as chegadas e partidas sugeria aos passageiros que verificassem o status dos voos da companhia para deveriam partir para Porto Alegre e São Paulo. Llano disse ainda que a previsão era de que os voos de hoje não iriam ser realizados e sustentou que a paralisação continuará até "ministério edite alguma medida ou a empresa reincorpore os funcionários".

Segundo o representante do sindicato, na própria sexta-feira enviaram uma queixa ao Ministério do Trabalho da Nação "que afirmou que vai atuar mas ainda não agiu". Comentou, ainda, que pela manhã a Polícia de Segurança Aeroportuária (PSA) ameaçou detê-los.
- Se acontecer alguma coisa, vamos fazer uma paralisação de todas as atividades a partir do dia 15 - reiterou.
  Yahoo! Notícias

PILOTO DA AVIANCA AVISA PASSAGEIROS QUE O COMBUSTÍVEL VAI ACABAR

Avianca Boeing 767-200 parked at El Dorado Int...
 (Photo credit: Wikipedia)


5 de abril de 2013 às 10:44 — 
Relato do advogado e ex-deputado Ney Lopes, que tinha uma filha e uma neta neste voo da Avianca que decolou ontem em Natal e se destinava a Brasília:

O drama dos passageiros, no voo Natal/Brasília da Avianca, ontem, 4


Por mais que o governo anuncie medidas de proteção ao usuário de companhia aérea há muito que fazer, ainda.

Ontem, 4, um avião da “Avianca” decolou por volta de 15.30 horas de Natal para Brasília. Voo direto. Previsão de chegada ao DF às 18.30 hs.

Como chovia torrencialmente em Brasília, o avião sobrevoou a cidade mais de uma hora.
Em seguida colocou os passageiros em pânico, ao avisar que o combustível disponível somente daria para chegar em Anápolis.

Não havia combustível para Goiana, que fica, mais ou menos na mesma distância.
Trocando em miúdos: se não fosse possível aterrissar em Anápolis, o avião cairia, por falta de combustível!!!!
Finalmente, o avião aterrissou na base militar de Anápolis, da FAB.
Ao desligar os motores, os passageiros foram avisados de que não poderiam descer. A base aérea não dispunha de escadas para aviões maiores, como o Air Bus da Avianca.
Todos os passageiros ficaram a bordo, com risco de asfixia. Pânico geral. Crianças queriam beber água e começou a faltar.


Circula a notícia de que na Base Militar de Anápolis não seria possível abastecer o avião, por inexistir posto de venda e a FAB não forneceria o combustível, em razão de ter sido adquirido para uso próprio, através de licitação.
O que fazer?
22 horas e nada se resolvia.
Os passageiros que saíram de Natal estavam a bordo e fechados, a mais de 7 horas.
Finalmente, após verdadeira via crucis, o aviso de que fora autorizado o abastecimento do avião, que seguiu para Brasília, lá chegando depois de 23 horas.


Post scriptum- Perguntas que ficam no ar, aguardando uma “aterrissagem” lógica, que explique os abusos como os de ontem, 4, no voo Natal/Brasília, da Avianca.
Por que o comandante da Avianca, sabendo que o combustível era escasso, passou tanto tempo sobrevoando Brasília?
Por que a ANAC e o Ministério da Defesa permitem que uma aeronave, cheia de passageiros, com autonomia de até 8 horas de voo, decole com o tanque sem disponibilidade de combustível para enfrentar uma situação como essa de ontem, a caminho de Brasília?
Será por economia das empresas aéreas, que gastam menos combustível, se o avião voar mais leve?
Caso verdadeiro esse argumento, haverá cumplicidade neste abuso dos órgãos do Ministério da Defesa. Não poderiam permitir tal situação. Qualquer dano ocasionado aos passageiros, esses órgãos teriam que responder civil e criminalmente, pela omissão.
No artigo 21, XII da Constituição, letra “c” está claro que compete a União – e não a Avianca ou empresas privadas – explorar, direta ou indiretamente, a navegação aérea e a infraestrutura aeroportuária.
O Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), aprovado pela Lei nº 7.565, de 1986, complementado pela Lei nº 11.182, de 2005, repete a responsabilidade da União, através do Ministério da defesa.
Diante de regra legal claríssima, como se explica que o Ministério da Defesa permita que, uma Base Militar como a de Anápolis, a menos de cem quilômetros do Distrito Federal, não disponha de uma escada de desembarque e de fornecimento emergencial de combustível, para casos de urgência com um avião comercial, ou militar?
Se o avião presidencial decolar de Brasília e for levado a um pouso forçado em Anápolis, o Presidente da República ficará confinado, por falta de escada de desembarque?
Um verdadeiro absurdo.
Inexplicável.
Espera-se que o “drama” da Avianca, nesta quinta, 4, sirva de alerta para providências urgentes e imediatas do Ministério da Defesa.
Pelo menos, dotar a Base de Anápolis e outras similares, de escadas de desembarque para aviões maiores e autorização de abastecimento de combustível, em urgências.
E também exigir que as companhias aéreas, permissionárias da aviação civil, abasteçam os tanques das aeronaves, com combustível suficiente para enfrentar mais horas voando, em casos emergenciais.
É o mínimo que se pode pedir.

fonte/http://www.thaisagalvao.com.br/2013/04/05/piloto-da-avianca-avisa-aos-passageiros-que-o-combustivel-vai-acabar/

IFR ONLINE

Novas regras permitem facas e tacos em voos nos EUA e geram polêmica

Algumas lâminas e objetos esportivos poderão ser levados na mala de mão.

Comissários de bordo protestam contra mudança e alegam insegurança.
Canivetes e facas dobráveis apreendidos no aeroporto de Atlanta - Foto: Gene Blythe/AP
Uma mudança nas regras sobre itens permitidos na bagagem de mão em voos nos Estados Unidos está gerando protestos de pilotos, comissários de bordos e outros funcionários de companhias aéreas.
A Transportation Security Administration (TSA), o órgão responsável pela segurança de transportes do país, anunciou recentemente que a partir do dia 25 de abril, passageiros poderão carregar nos aviões canivetes e facas de tamanho reduzido, bastões de beisebol, tacos de golfe e outros equipamentos esportivos.
Segundo a Associated Press, um comunicado da agência afirmou que a nova política coloca os padrões de segurança americanos de acordo com os internacionais, e permite que a TSA concentre energia em ameaças mais sérias.
O anúncio gerou uma reação negativa imediata de associações que representam comissários de bordo e outros trabalhadores da aviação. Para elas, esses itens são perigosos nas mãos dos passageiros errados. 
Comissários de bordo protestam segurando cartaz com os dizeres 
"Não às facas em aviões", nesta segunda (1º) - Foto: Frederic J. Brown/AFP
Uma das entidades, que representa 10 mil comissários de bordo, afirma que a nova política é "perigosa" e "míope" e que foi criada para tornar a vida da equipe da TSA mais fácil em detrimento da segurança da tripulação.
"Apesar de concordarmos que um passageiro que leve uma pequena faca ou um taco de golfe não representa uma ameaça ao piloto que está trancado na cabine, eles são uma ameaça aos passageiros e aos comissários", afirmou a associação em um comunicado.
A mudança foi baseada em uma recomendação de um grupo de trabalho interno da TSA, que decidiu que esses itens não representam nenhum perigo real, afirmou David Castelveter, um porta-voz da agência.
As mudanças
A nova política permite facas dobráveis com laminas de no máximo 6 cm de comprimento e menos de 1,3 cm de largura. Canivetes, saca-rolhas com pequenas laminas e outros tipos de utensílios entram na lista.
Os passageiros também poderão carregar a bordo tacos de baseball que tenham menos de 61 cm de comprimento, bastões de plástico de brinquedo, bolas de sinuca, esquis, tacos de hockey e de golfe. 
Panfleto mostra os objetos cortantes que serão permitidos - Foto: AP Photo/TSA
Padrões de segurança adotados pela Organização Internacional de Aviação Civil, ligada à ONU, já recomendam que esses itens sejam permitidos na bagagem de mão. Muitos países seguem essa recomendação.
Estiletes, lâminas de barbear e facas que não sejam dobráveis continuam proibidos.
Para o consultor em segurança da aviação John L. Sullivan, os itens permitidos pela nova política não trazem maior risco que outros itens que os passageiros carregam sempre e que podem ser convertidos em armas. Uma caneta, uma escova de dente ou um copo de vidro podem ser transformadas em uma faca, afirma. 
Panfleto mostra os tacos de beisebol permitidos pelas novas regras (à esquerda) 
e os proibidos (à dir.) - Foto: AP Photo/TSA
Douglas Laird, ex-diretor de segurança de uma empresa aérea e agora consultor nessa área, afirma que a segurança deve focar mais no perfil do passageiro e menos no que ele carrega."A TSA tem coisas melhores para fazer do que focar em um cara que carregue um canivete”, disse.
Brasil 
As novas regras se aplicam aos voos dentro dos EUA. Segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), elas não anulam a regulação brasileira e, portanto, não valem para aviões que saem do Brasil com direção aos Estados Unidos.
As normas brasileiras já permitem levar saca-rolhas, assim como facas e canivetes com lâminas de comprimento inferior a 6 cm, na bagagem de mão – mas tacos de beisebol, golfe e outros esportes são proibidos.
 
DESÁTRES AÉREOS

Novo dono da Fokker vai abrir fábrica em Goiás


O Brasil pode se tornar o lar da nova geração dos aviões Fokker. A empresa holandesa Rekkof Aircraft, que comprou todas as licenças e projetos da antiga Fokker, declarada falida em 1996, já assinou com o governo de Goiás os termos do contrato de instalação, na cidade de Anápolis, de uma fábrica de peças para aviões. A planta começa a ser construída em agosto e deve iniciar a produção até julho de 2014.
Num primeiro momento, os aviões serão produzidos na Holanda, com 35% das peças fabricadas no Brasil - entre elas fuselagem, asas e outros componentes. No início da operação, essas peças vão fazer parte dos primeiros 60 aviões a serem fabricados na Europa. Em 2019, no entanto, a Rekkof pretende que o primeiro avião decole da fábrica brasileira, já com 75% de nacionalização de seus componentes.
As informações são do consultor-geral da empresa e responsável pela implantação da Rekkof do Brasil, Paulo Almada. O secretário de Indústria e Comércio de Goiás, Alexandre Baldy, que participou da assinatura do protocolo de instalação da empresa, também falou da importância do projeto para o Estado e para o País e comemorou o investimento que a Rekkof Aircraft fará, da ordem de R$ 1,23 bilhão. Baldy disse que, de início, serão gerados 1,8 mil empregos diretos, que segundo ele se transformarão em pelo menos 5 mil indiretos.
Almada disse que o Brasil foi escolhido para receber o projeto ?pela segurança política, econômica e jurídica que o País oferece?. Antes de se decidir pelo Brasil, foram feitas negociações com outros países, como China, Turquia e Argentina. 
DESÁSTRES AÉREOS

Thatcher dispensou show aéreo em funeral para evitar gasto público


Euforia e tristeza tomaram as ruas de Londres após o falecimento da "Dama de Ferro".
Euforia e tristeza tomaram as ruas de Londres após o falecimento da "Dama de Ferro".
REUTERS/Suzanne Plunkett

A Grã-Bretanha prepara o funeral de Margaret Thatcher, morta ontem aos 87 anos. Ainda em vida, Thatcher pediu que fossem dispensadas demonstrações aéreas para evitar gasto desnecessário de dinheiro público. O funeral da "Dama de Ferro", como ficou conhecida, foi marcado hoje para quarta-feira 17 de abril.

A primeira e única mulher a ter governado o Reino Unido terá um funeral cerimonial, ou seja, abaixo do funeral de Estado na nomenclatura do protocolo britânico. O funeral de Estado, mais pomposo, é reservado aos monarcas. A cerimônia fúnebre, definida por ela ainda em vida, será realizada na Catedral Saint-Paul com honras militares.
Na noite dessa segunda-feira, o caixão com o corpo de Thatcher deixou o hotel Ritz, em Londres, e foi levado para um local desconhecido. De acordo com o desejo da ex-premiê, seu corpo será cremado em cerimônia íntima familiar.
Personalidade controversa, mas de influência determinante na história do século 20, o desaparecimento de Thatcher provoca reações diversas em seu próprio país. A política conservadora foi responsável pela mais longa administração do Reino Unido, e suas reformas liberais criaram prejudicados e beneficiados pelas medidas de privatização, desregulamentação do mercado financeiro e corte de benefícios sociais. Thatcher dividiu o país, governou impondo uma visão sem nuances, preto e branco, dos problemas e soluções para o Reino Unido.
RFI

Margaret Thatcher morre na Inglaterra


Morreu nesta segunda-feira (8) aos 87 anos Margaret Thatcher, primeira mulher a se tornar primeira-ministra britânica, cargo no qual ficou por três mandatos consecutivos, entre 1979 e 1990.
Ela foi uma das figuras dominantes na política inglesa no século XX, ao dirigir um governo que reduziu o tamanho do Estado e transformou o Reino Unido.
Sua política neoliberal, que entrou para a história com o nome de “thatcherismo”, ainda influencia líderes mundialmente e é criticada e elogiada até hoje.
O porta-voz da família de Thatcher informou ela morreu em consequência de um acidente vascular cerebral, após meses debilitada.
"É com grande tristeza que Mark e Carol Thatcher anunciam que sua mãe, a baronesa Thatcher, morreu em paz depois de um derrame, esta manhã," disse o Lorde Tim Bell, o porta-voz.
Repercussão
Após sua morte, o atual premiê britânico, o conservador David Cameron, disse que o Reino Unido "perdeu uma grande líder, uma grande primeira-ministra e uma grande britânica".
O premiê voltou ao Reino Unido, interrompendo uma visita a países europeus. Ele estava em Madri, capital da Espanha, para encontrar seu colega Mariano Rajoy, quando soube da morte. Ele iria depois a Paris, para conversar com o presidente Francois Hollande.
A Rainha Elizabeth II também lamentou a morte de Thatcher. "A rainha recebeu com grande tristeza a notícia da morte da baronesa Thatcher", comunicou o palácio de Buckingham.
Doença
Thatcher havia sido internada pela última vez em dezembro de 2012, quando passou por uma cirurgia na bexiga.
Ela não falava em público desde 2002, quando os médicos desaconselharam a presença diante de audiências após uma série de pequenos derrames que deixaram como sequela confusões ocasionais e perdas de memória.
A filha Carol escreveu em suas memórias, publicadas em 2008, que, nos piores momentos, Thatcher tinha dificuldades para terminar as frases e esquecia que o marido, Denis, havia morrido em 2003.
Cerimônia fúnebre e cremação
O governo britânico anunciou que Thatcher, cujo nome completo era Margaret Hilda Thatcher, terá um "funeral cerimonial", com honras militares, mas não um "funeral de Estado". Ele será realizado na Catedral de Saint Paul, em Londres.
O funeral cerimonial está abaixo do funeral de Estado, realizado pela última vez no Reino Unido para alguém de fora do círculo da monarquia em 1965, por ocasião da morte de Winston Churchill.
Os últimos funerais do mesmo tipo reservado a Thatcher foram realizados pela morte da rainha Elizabeth, a "Rainha-mãe", em 2002, e de Diana, princesa de Gales, em 1997.
Ainda não foi definida uma data, e mais detalhes serão divulgados nos próximos dias.
"Uma ampla e diversa variedade de pessoas com grupos e ligações com Lady Thatcher vai ser convidada", disse o escritório do premiê.
"O serviço vai ser seguido por uma cremação privada. Todos os preparativos estão sendo tomados em linha com os desejos da família", diz o texto de Downing Street.
Vida
Margaret Hilda Roberts nasceu em 13 de outubro de 1925 em Grantham, Lincolnshire.
Seu pai era pastor e membro do conselho da cidade, além de comerciante.
Na casa da família, a missa era obrigatória, e o trabalho, em casa ou ajudando o pai no comércio, era uma segunda religião, razão pela qual a jovem saía pouco.
Por conta disso, ela se tornou uma "viciada em trabalho".
Pessoas próximas contam que ela costumava dormir quatro horas diárias e trabalhava "o resto do tempo".

Maggie graduou-se em química em Oxford em 1947 e depois também estudou direito, formando-se em 1954.
Desta época, data o seu interesse e sua aproximação da política
Em 1951, casou-se com Denis Thatcher, um rico homem de negócios, com quem, dois anos depois, teve dois filhos gêmeos, Carol e Mark.
Além de lhe dar seu nome, Denis a acompanhou e apoio durante mais de 50 anos de casamento, até morrer em 2003.
Carreira política
Thatcher se tornou membro dos Tories, como é chamado o Partido Conservador, no Parlamento de Finchley, ao norte de Londres, em 1959, onde cumpriu mandato até 1962.
Seu primeiro cargo parlamentar foi como ministra-assistente para previdência no governo de Harold Macmillan.
De 1964 a 1970, quando o Partido Trabalhista assumiu o poder, ela ocupou diversos cargos no gabinete de Edward Heath. Heath se tornou primeiro-ministro em 1970, e Thatcher, sua secretária de Educação.
Durante o período que ocupou a pasta, ela aumentou o orçamento da educação no país, mas foi criticada por abolir o leite que era gratuito em escolas para crianças.
A medida polêmica lhe deu o apelido de “Thatcher the Milk Snatcher”, algo como “Thatcher, a Ladra de Leite”.
Após os conservadores sofrerem nova derrota, em 1974, Thatcher concorreu com Heath pela liderança do partido e, para surpresa de muitos, venceu a indicação. Em 1979, o Partido Conservador venceria as eleições gerais, e ela se tornaria primeira-ministra, aos 54 anos.
Cinco anos antes, ela havia declarado: "Serão necessários anos - e não verei isso de novo durante a minha vida - para que uma mulher dirija este partido ou se torne primeiro-ministro".
‘Thatcherismo’
Com ideias arrojadas, ela criou uma nova expressão no dicionário inglês: “thatcherismo”, que significa uma política que privilegia a liberdade de mercado, as privatizações, preconiza menos intervenção do governo na economia e mais rigor no tratamento com os sindicatos de trabalhadores.
Suas políticas conseguiram reduzir a inflação, mas o desemprego aumentou dramaticamente no período.
Durante seu governo, os sindicatos foram amordaçados, setores inteiros da economia (telecomunicações, ferrovias, aeronáutica) foram privatizados, e o chamado "Estado de bem-estar social" foi desmantelado.
Os impostos e os gastos públicos foram reduzidos. Veja o legado econômico do governo Thatcher.
Adversários diziam que Thatcher havia criado uma nação dividida entre o sul, mais rico, e o norte, mais pobre.

Os círculos empresariais a veneravam, mas sua revolução também se chocava com fortes resistências, uma divisão vigente até hoje na avaliação de seu legado.

Nos primeiros anos de seu mandato, foi superada a marca de três milhões de desempregados, nível inédito desde os anos 1930, pós-Grande Depressão.
Cresceram o mal-estar social e os confrontos com os sindicatos, contra os quais declarou uma guerra sem quartel. Não por menos, alguns britânicos foram às ruas celebrar a morte da ex-premiê.
No início dos anos 1980, os mineradores em greve se chocaram com a intransigência da Dama de Ferro, diferente do modo de atuar dos governos anteriores. Seus aliados afirmam que ela evitou que o país caísse vítima de  uma crise energética.
Nova vitória
Apesar dos confrontos e polêmicas, o sucesso militar na guerra com a Argentina pelas Ilhas Malvinas, em 1982, e uma oposição trabalhista rachada ajudaram Thatcher a conquistar uma nova vitória nas eleições de 1983.
Em 1982, quando as tropas argentinas desembarcaram no arquipélago austral das Malvinas, sob dominação britânica desde 1833, Thatcher enviou uma força naval que em dois meses, facilmente, recuperou as ilhas, chamada de Falklands pelos britânicos.
A vitória encaminhou sua reeleição em 1983.
Atentado
Em 1984, Thatcher escapou por pouco de um atentado do IRA (o Exército Republicano Irlandês, com quem foi intransigente), que instalou um carro-bomba numa conferência do Partido Conservador em Brighton. Cinco pessoas morreram e vários ficaram feridas, inclusive colegas dela.
Horas depois do atentado, cumprindo a agenda, ela fez o pronunciamento de encerramento da conferência anual do Partido Conservador, prometendo não fazer concessões na luta contra o terrorismo.
Fim da Guerra Fria
Thatcher cultivou uma relação muito próxima e pessoal com o então presidente dos EUA, o republicano Ronald Reagan, e o reformista líder soviético Mikhail Gorbachov, o que a fez ter um papel importante no fim da Guerra Fria, que opunha os blocos capitalista e comunista.
Por conta disso, nessa época, recebeu, da imprensa soviética, o apelido de “Dama de Ferro”. Era para ser uma crítica, mas ela gostou e "adotou" o apelido.
"Margaret Thatcher era uma grande personalidade política e uma pessoa brilhante. Ela permanecerá na memória e na história", disse Gorbachov sobre a morte, citado pela agência russa Interfax.
Ceticismo europeu
Ao nacionalismo de Thatcher, somou-se uma desconfiança em relação à União Europeia. Suas críticas aos "burocratas de Bruxelas", gestores do bloco, entraram para a história.
A União Europeia (UE) lamentou nesta segunda a morte da ex-primeira-ministra britânica , que será recordada por suas "contribuições e por suas reservas ao projeto europeu".

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, destacou que a ex-dirigente foi "uma pessoa-chave, e também circunspecta" em relação à construção do projeto europeu.

Terceiro mandato e queda
Nas eleições de 1987, Thatcher ganhou um inédito terceiro mandato. Mas suas políticas controversas, como a adoção de novos impostos (a famosa "Poll Tax", que provocou protestos de rua) e a oposição a qualquer integração mais próxima com a Europa, levaram sua popularidade a cair para o nível mais baixo desde que ela havia assumido o poder, em 1979.
A política interna da primeira-ministra começava a fracassar. Com a inflação alta, o país caminhava para a recessão, e sua liderança começou a ser questionada dentro do próprio Partido Conservador.
Em novembro de 1990, ela concordou em renunciar ao cargo e à liderança do partido, sendo substituída por John Major. A renúncia ocorreu em 22 de novembro.
Ela foi a recordista de tempo de permanência no poder no século XX, com 11 anos.
Aposentadoria
Após sua saída em prantos de Downing Street, residência oficial do premiê britânico, a baronesa Thatcher se refugiou no elegante bairro londrino de Belravia, onde continuou preparando lucrativas conferências e redigindo suas memórias.

Em fevereiro de 2007, ela tornou-se a primeira ex-chefe de Governo a ser homenageada com uma estátua no Parlamento ainda em vida.

Na época, já havia uns cinco anos que ela não falava e praticamente não era vista em público, depois de ter sofrido dois acidentes vasculares cerebrais leves e devido ao aumento de sua demência senil.

Mas ela viveu o suficiente para ver outro conservador, David Cameron, no poder, depois, depois de 13 anos de governos trabalhistas, embora Cameron tenha sido obrigado a formar uma inédita coalizão com os liberais-democratas.
Em um de seus primeiros discursos importantes, alguns meses depois de sua eleição, em maio de 2010, Cameron, que se apresenta como mais moderado que sua predecessora, definiu Thatcher como "a melhor primeira-ministra em tempos de paz do último século".
Suas radicais posições direitistas alteraram tão profundamente a política britânica que os governos trabalhistas que a sucederam aceitaram muitas das suas políticas, criando o chamado "Novo Trabalhismo", sob os governos de Tony Blair e Gordon Brown.

Em 2011, ela voltou a ser notícia ao ser lançado, no cinema, o filme "A Dama de Ferro". A polêmica produção rendeu a Meryl Streep seu terceiro Oscar de melhor atriz.
Meryl afirmou que Thatcher foi uma pioneira para as mulheres.
Personalidade
Thatcher notoriamente ignorava seus críticos.
"A senhora não é de recuar", disse ela num célebre discurso de 1980 a membros do seu Partido Conservador que pediam mais moderação no seu governo.
Outros que cruzaram seu caminho, particularmente na Europa, estavam sujeitos a violentas diatribes, frequentemente chamadas de "bolsadas", numa alusão à bolsa de couro preto que ela invariavelmente carregava.
"Uma tirana brilhante, cercada por mediocridades", foi como o ex-premiê Harold Macmillan a descreveu. "Aquela mulher sanguinária", foi o veredicto menos complacente de outro ex-premiê, Edward Heath, seu antecessor como líder conservador.
Thatcher deixa dois filhos, os gêmeos Carol, que é jornalista, e Mark, que é empresário.
 
HANGAR DO VINNA

Aviação: passageiro paga o que pesa

A companhia aérea Samoa Air adoptou recentemente uma nova tabela de preços no qual o preço do bilhete tem por base o peso do passageiro. 

SamoaAirEsta nova medida “pay–by–weight” (pagamento de acordo com o peso) tem como objectivo a luta contra a obesidade e o aumento do preço dos combustíveis.
Curiosamente, os passageiros mais obesos reconhecem que a medida é justa. O preço dos bilhetes varia entre os €0,44 e os €1,30 por quilograma.
A empresa informou que pretende ainda aplicar esta nova tabela aos voos que ligam as pequenas ilhas do Pacífico às nações insulares vizinhas, como Tonga ou as ilhas Cook.


OPÇÃO TURISMO

Embraer diz que preço de KC-390 irá incomodar a concorrência

Segundo presidente da Embraer Defesa e Segurança, preço do jato de transporte militar será competitivo

Presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar, durante uma entrevista a Reuters em São Paulo, 13 de Janeiro de 2012
Presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar: "o que a gente pode falar é que é um preço competitivo. Em termos de preço, nós vamos incomodar", disse
  - O preço do jato de transporte militar da Embraer KC-390 será competitivo e irá "incomodar a concorrência", disse o presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar.

A fabricante de aviões brasileira está desenvolvendo o KC-390 sob contrato com a Força Aérea Brasileira (FAB) e espera fazer o primeiro voo teste no segundo semestre de 2014. No fim de março, a Embraer concluiu com a FAB a revisão crítica de projeto, para iniciar a fase de produção do protótipo.
"O que a gente pode falar é que é um preço competitivo. Em termos de preço, nós vamos incomodar. A concorrência vai estranhar", afirmou Aguiar à Reuters, antes da participação da empresa em uma feira de defesa e segurança no Rio de Janeiro.

"O preço depende da configuração do avião, da demanda específica de cada cliente. É muito difidifícilcil a gente dizer um preço. Tem uma série de detalhes que muda o preço do avião", acrescentou, sem dar mais detalhes.

O KC-390 é visto como um possível substituto a versões mais antigas do C-130 Hercules, da Lockheed-Martin.

A Embraer deve divulgar nesta terça-feira um novo estudo de marcado para o avião. "A gente está fazendo um estudo novo, atualizando tudo o que aconteceu, e vamos dar uma visão de mercado nova pra todo mundo", afirmou Aguiar.


Quando apresentou o projeto de seu cargueiro, em abril de 2009, a Embraer via demanda global de 700 unidades para a aeronave em 15 anos e disse que pretendia ter um terço do total.

A projeção feita anos atrás não incluía mercados importantes como os Estados Unidos, que devem agora ser incorporados às novas estimativas depois que a Embraer fez, em junho passado, um acordo com a Boeing para que a gigante norte-americana dê suporte comercial para a venda do KC-390.

A Embraer tem assinadas algumas cartas de intenção de compra do cargueiro, além da FAB, por outras forças aéreas de países que são parceiros no projeto, como Argentina, Portugal e República Tcheca.
A fabricante de aviões espera anunciar a primeira encomenda do jato de transporte militar KC-390 no primeiro trimestre de 2014, segundo Aguiar.

"As formas da aeronave já estão definidas e também todas as questões relacionadas à competitividade da aeronave. A partir de agora, vamos sair para contratar as vendas da aeronave. No primeiro trimestre do ano que vem a gente deve anunciar a primeira venda", afirmou.

"O KC-390 tem mercado em mais de 70 países... Os países da América Latina em geral, da África e do sudeste asiático são metas nossas a perseguir em um primeiro momento."

EXAME

 

Líder Aviação fatura R$ 816 milhões e investe em expansão

 

No ano, a empresa investiu 207 milhões de reais na aquisição de quatro helicópteros de grande porte, além da construção e reformas de hangares.

Líder Aviação
Líder Aviação: novo hangar no Galeão tem previsão de início até junho de 2014

São Paulo – A venda de jatos comerciais e helicópteros e outros serviços de fretamento, manutenção e gerenciamento de aeronaves renderam um faturamento de 816 milhões de reais no ano passado para a Líder Aviação. O número representa um crescimento de 17% em relação ao faturado no balanço do ano anterior.

No ano, a empresa investiu 207 milhões de reais na aquisição de quatro helicópteros de grande porte, o modelo Sikorsky S-92 com capacidade para 21 passageiros, e aumentou sua frota de 89 para 101 aeronaves. A companhia de aviação ainda conta com 67 helicópteros, 16 aviões próprios e 18 aeronaves gerenciadas. Ainda no primeiro semestre, dois novos helicópteros S-92, de grande porte, vão incrementar o portfólio.
Além da expansão de frota, a Líder investiu também na reforma de um hangar em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, e está desenvolvendo projetos para a construção de um novo hangar no aeroporto paulista de Itanhaém para operações de helicópteros. Outro projeto para a construção de um novo hangar no aeroporto do Galeão, no Rio, já começou e tem previsão de início das operações no primeiro semestre de 2014.

EXAME

 

A AVIAÇÃO CIVIL E A INFRAESTRUTURA AEROPARTIDÁRIA


A infraestrutura aeroportuária, ainda que só tenha olhos para o conforto dos passageiros, dos parentes, amigos e fâ clubes que vêm despedir-se daqueles que viajam, por trás dos tapumes, escondem uma situação de doença crônica, que é facilmente desvendada pela mídia em suas manchetes: 
 
CAI TETO DO NOVO TERMINAL DE PASSAGEIROS; AEROPORTO DE SALVADOR É INVADIDO POR ENXURRADA; GOTEIRAS NO AEROPORTO DE BRASÍLIA; AEROPORTO DE VITÓRIA SOFRE NOVA DERROTA; NOVO AEROPORTO DE GOIÂNIA SE DETERIORA NO MEIO DO MATO; AEROPORTO DE CONGONHAS PERDE 300 METROS DE PISTA DEVIDO DESRESPEITO À ZONA DE PROTEÇÃO DE AERÓDROMO; ...e muito mais. 
 
Lutaram tanto pela desmilitarização da Aviação Civil para então politizá-la. É isso que estavam querendo? É esse modelo de clube dominado por partidos políticos que pretende melhorar o transporte aéreo no Brasil? Uma coisa ninguém pode negar, ainda que eu seja a favor de uma condição totalmente civil na aviação, se os militares tivessem à sua disposição a verba que já foi despejada no setor nos últimos anos, certamente estaríamos entre os países com os maiores e mais operacionais aeroportos do mundo. Digo também que, se quisermos correr atrás do prejuízo, temos agora que DESPOLITIZAR a Aviação Civil Brasileira, entregando-a em mãos tecnicamente habilitadas, de grandes valores "apartidários" espalhados pelo País e repatriar outros tantos que tiveram seu valor reconhecido no exterior.
 
É preciso pensar sim em investimentos de longo prazo, mas não é admissível que se use essa desculpa para abandonar a atual estrutura de base, ou tratá-la com pouco caso, pois em aviação, um minuto é muito tempo, um ano é uma eternidade.
Celso BigDog

Helibrás vai desenvolver helicóptero brasileiro




A Helibrás vai desenvolver e fabricar um helicópero brasileiro e até o fim de 2013 decidirá que classe de aeronave vai ser desevolvida em sua fábrica em Itajubá, Minas Gerais. Eduardo Marson, presidente da empresa, disse nesta segunda-feira (8) que o modelo deverá ser apto tanto ao uso civil como militar e deve ser capaz de atrair compradores no Brasil e no exterior.
http://1.bp.blogspot.com/_IEJ3-_kC6JI/Szpd9K8wP0I/AAAAAAAAcR0/pqweMmJvyxg/s400/helicoptero_exercito.jpg Segundo o executivo, o investimento no helicópero brasileiro, dependendo do modelo a ser desenvolvido, vai variar de € 300 milhões a € 600 milhões. A escolha do Brasil para a criação de uma nova aeronave se deu principalmente pela "disponibilidade de engenharia e pelas escolas fortes", disse Marson.
"A Universidade Federal de Itajubá criou um curso de engenharia de aeronáutica voltado para helicópteros  e tem ainda um centro de tecnologia de helicópteros", explicou o executivo, que está no Rio de Janeiro para participar da Latin America Aerospace and Defence (Laad), que começa na terça-feira (9) no Riocentro reunindo empresas do setor de defesa e segurança.
Com uma encomenda de 50 helicópteros para as Forças Armadas – sete deles já entregues e os demais com prazo de entrega até 2017 – a Helibrás espera estar faturando em três anos R$ 1 bilhão. Hoje o faturamento da empresa, que há 35 anos está no Brasil, é de R$ 200 milhões. A empresa vai investir mais forte no setor de serviços, que pesa 30% em seu faturamento.
"Temos que crescer mais no setor de serviços porque  o offshore é um heavy user", disse Marson. 
O executivo calcula que a indústria de óleo e gás tem um décit de cem helicópteros para o trabalho no offshore brasileiro. E o cenário para a empresa é promissor. Segundo Marson, existe ainda um memorando de entendimento com a Líder para a compra de 14 helicópteros.
A Helibrás é uma das divisões do Grupo Eads e é a única fabricante sul-americana de helicópteros e única subsidiária integral da Eurocopter.
A empresa, que em 2009 tinha 260 funcionários, hoje tem 769 e vai terminar 2013 com 850, chegando aos mil funcionários em 2014. De sua fábrica saem por ano 40 novos helicópteros pequenos, tipo Esquilo, e 13 de grande porte. Marson adiantou que em 2015 a Helibrás estará produzindo 16 helicópteros de grande porte por ano.
O Grupo Eads considera o Brasil um país estratégico para o desenvolvimento de seus negócios não apenas para atender ao mercado interno, mas também para exportar seus equipamentos, disse Marson.
"Estamos aqui há muito tempo. E estamos alinhados com a estratégia do Brasil no desenvolvimento da defesa e de uma indústria sustentável. O Brasil pode ser  um hub", comentou Anne Tauby, vice-presidente sênior para a América Latina da Eads.
A executiva disse que é importante a perspectiva do grupo na América Latina, que representa 11% do total dos negócios da Eads, quando cinco anos atrás sua representação era de 5%. A Eads é líder mundial nos segmentos aeroespacial e de defesa e inclui as empresas Airbus, Astrium, Cassidian e Eurocopter. O grupo tem mais de 140 mil funcionários e registrou uma receita de € 56,6 bilhões em 2012.
HANGAR DO VINNA

Piloto de F-16 da Otan morre em queda de avião no leste do Afeganistão



Um piloto da missão da Otan no Afeganistão (Isaf) morreu na queda do avião General Dynamics F-16 que pilotava no leste afegão, informou nesta quinta-feira o contingente internacional em comunicado.


Segundo a nota, o acidente ocorreu na quarta-feira (3) à noite e o corpo do piloto já foi recuperado.

Como de costume, a organização internacional não detalhou exatamente onde aconteceu o incidente nem a nacionalidade do morto, o que a Isaf delega nas autoridades do país correspondente.

A Otan assegura que embora as causas do fato estejam 'sob investigação' os primeiros relatórios indicam que 'não havia atividade insurgente na área no momento da colisão'.

No entanto, um porta-voz talibã, Zabiulá Mujahid, afirmou à agência local 'AIP' que membros da insurgência derrubaram uma aeronave militar da Otan ontem à noite no distrito de Deh Sabz, na província de Cabul.

'As forças internacionais isolaram a área, o que impediu que tivéssemos informação sobre o número de vítimas', acrescentou o porta-voz insurgente.

Em agosto de 2011, 30 soldados dos Estados Unidos morreram no centro do Afeganistão quando um helicóptero foi derrubado durante uma operação contra os talibãs, na maior catástrofe aérea sofrida até o momento pela Isaf no país centro-asiático.

De acordo com o portal independente 'icasualities.org', neste ano morreram 25 soldados da Otan em solo afegão, o que eleva a 3.274 o número de soldados internacionais mortos desde o início da invasão americana do Afeganistão em 2001.

O processo de retirada das tropas internacionais no Afeganistão está em andamento e prevê-se que conclua no final de 2014, segundo um calendário que não deteve a violência no país asiático.
 
HANGAR DO VINNA